Sonhos nas areias dos Lençóis Maranhenses

A temperatura é constante e sempre perto dos 28 graus, como lençóis de cama se sobrepondo uns sobre os outros, a paisagem é branquinha e intocada … Eu me belisco e penso o quanto sou privelegiada de poder conhecer tal lugar.

Lençóis Maranhenses é um parque nacional situado no estado do Maranhão, no Nordeste do Brasil… Uma vasta área de dunas de areia branca trabalhadas pela água da chuva, formando piscinas milhares de piscinas de água cristalina onde o acesso só de dá em Jeeps 4×4.

A paisaisagem é única. Por 6 meses chove sem parar na região que forma as milhares de piscinas naturais. A melhor época para visitar é de Maio a Setembro, quando há ainda bastante água nas lagoas e esta ainda está limpa e quentinha.

A Cidade maiis próxima do parque é Barreirinhas e leva mais ou menos 30 minutos até chegar no parque. Barreirinhas fica situada mais ou menos há 250 km de São Luis (Capital do estado do Maranhão). IInfelizmente, o Brasil peca muito em infraestrutura… e chegar a Barreirinhas pode ser complicado já que a estrada é cheia de buracos.

Contratamos um motorista para ir nos buscar no aeroporto, alguém que conhece a estrada. Foi a melhor coisa que fizemos. A estrada está toda esburacada e pode ser muito perigosa. Uma vergonha para um país do tamanho e importancia como o Brasil.

Já em Barreirinhas, há hoteis para todos os bolsos… nós decidimos ficar no melhor resort da cidade … Se chama Porto Preguiças e nós adoramos a nossa estádia. O resort é confortável, grande e com bastante coisas para fazer. 3 piscinas, um super restaurante com o melhor da cozinha brasileira, quadras de tenis e um super playground para as crianças. Os quartos eram grandes e tinham o necessário para nos sentirmos confortáveis.

www.portopreguicas.com.br

O resort está situado nas margens do rio Preguiça, que corta toda a área e vai até o Oceano Atlantico em Atins. O rio leva esse nome pois a área era povoada de preguiças mas com o Turismo, barulho e movimento, os animais se mudaram mais para o interior da região.

No resort é possível reservar passeios pelas varias lagoas da região e também para as praias desertas de Atins. Nossa viagem foi reservada com muitos meses de antecedência mas para decisões de ultimo minuto, há uma agência de Turismo dentro do hotel do outro lado da recepção.

Nosso primeiro passeio foi para a Lagoa Azul (the Blue Lagoon), com paradas em 3 outras lagoas no caminho. Como já havia mencionado, o acesso ao parque só pode ser feito em 4×4. Não há estradas asfaltadas após o rio, então qualquer deslocamento só pode ser feito de Jeep.

Uma vez dentro do parque não há nada para vender, logo tem que se levar bastante água e bastante filtro solar. Todos os turistas entram mais ou menos pelo mesmo lugar, mas uma vez dentro do parque, as pessoas se dispersam até que não se encontra mais nenhuma pessoa no horizonte.

Nesse momento é que me dei conta da grandiosidade desse lugar. Como as autoridades brasileiras controlam a entrada do parque, não mais que 300 Jeeps podem entrar oficialmente. Então não é difícil chegar a uma lagoa e tê-la completamente vazia para uma visita privada.

Todos os visitantes tem que estar acompanhados por um guia, já que embora o lugar seja magico, ele pode ser também complicado de encontrar a saída. Como não há marcação nas dunas, é muito fácil se perder, além de ser perigoso dirigir. Nem os jeeps são permitidos rodar em todos os lugares.,. Há áreas designadas, assim a maior parte do percurso é feita a pé….

No fim do dia, os turistas se direcionam a entrada – saída do parque a espera do pôr do sol… Mesmo sendo alta estação o lugar não estava muito cheio… A cerimônia natural foi observada em silêncio e em respeito. Confesso que ficou escrito na minha história como uma das experiências mais incríveis da minha vida.

O retorno ao hotel foi uma aventura. Como todo mundo tem que cruzar o rio para voltar, eu me peguei correndo de volta ao jeep, com as crianças correndo juntos, para conseguir sair na frente e evitar uma fila grande de entrada na balsa.the ferry. Todos os jeeps corriam pelas estradas de areia… o riso de nervosismo corria solto…. Segurança zero, mas diversão total.

De volta a Barreirinhas, era hora do jantar. Anda esperando pela balsa, morríamos de fome e nos atracamos com a tapioca… tapioca feita na rua… talvez nada saudável mas muito delicioso.

Barrerinhas é uma Cidade de 60,000 habitantes. Há um nível mínimo de infraestrutura, com vários bares e restaurantes. Mesmo estando no Brasil, meus filhos me pediam sushi… Fomos para o O Bambu… um restaurante que mistura cozinha local com comida japonesa…. comemos sushi ao gosto de caipirinha… só no Brasil, mesmo! 🙂

Acordamos com as galinhas e formos de barco para Atins… Atins é uma cidadezinha que foi criada pelos holandeses no século 16. Estamos em 2019 e não há pavimento,não há inteernet, bem telefone. O acesso é feito de barco em 2 horas ou 4 horas em um jeep 4×4. Fomos de barco passeando pelo famoso rio Preguiça.

 

O trajeto foi de uma beleza estonteante… A vegetação nativa brasileira e sua fauna são indescritíveis.

Uma vez em Atins fomos para uma praia deserta que meio que me fez me sentir na lua. Para onde eu dirigia o meu olhar, tudo o que via era céu azul, areia branca e mar azul. Centenas de kilometros de natureza intocada. Não havia quase ninguém, já que o acesso tõ difícil mesmo para os mais aventureiros.

A cidadezinha tem uma ou duas pousadas, um ou dois restaurantes e agora tem sido visitada por praticantes de Kitesurf. Não há internet nem telefone… perfeito para o detox digital.

Atins faz parte do parque nacional dos grandes Lençóis, logo fomos também visitar alguma lagoas… tudo tão lindo que queria apertar o botão de pausa e lá ficar por muito tempo.

Esses poucos dias no paraíso não vão jamais sair da minha memória. Fico feliz em compartilhar todos os detalhes de como ir, onde ir e o que visitar. Me escrevam por mais detalhes… Espero ter podido compartilhar as minhas férias a ponto de tentá-los a visitar esse lugar extraordinário.

xx Valentina